O presidente do PSD, Rui Rio, considerou esta quinta-feira que a revisão em alta da Comissão Europeia do crescimento económico para Portugal foram “trocos”, preferindo aguardar pelas previsões macroeconómicas do Governo no Orçamento do Estado, que antevê “mais prudente”.

No final da reunião do grupo parlamentar do PSD, Rui Rio foi questionado sobre as previsões económicas de outono da Comissão Europeia, que melhorou em três décimas a previsão de crescimento económico de Portugal para 2% este ano, uma décima acima do esperado pelo Governo, e manteve a anterior previsão de 1,7% em 2020.

O que a Comissão Europeia vem dizer são trocos, é um crescimento de 0,1%”, afirmou, admitindo, contudo, que é melhor que a revisão seja feita em alta do que em baixa.

Para o líder do PSD, o mais relevante são “as perspetivas futuras e aí há uma prudência muito grande por parte da Comissão Europeia”.

Vamos ter dentro em breve o Orçamento do Estado, em que vamos ver o quadro macroeconómico que o Governo apresenta e ver se está em sintonia ou dessintonia com o que foi apresentado na campanha eleitoral, talvez esteja mais prudente”, anteviu.

Questionado se um crescimento económico mais alto dificulta a tarefa de fazer oposição, Rio considerou que “isso é evidente” como princípio geral.

“Mas mesmo quando a economia cresce menos, se um governo for equilibrado e sensato tem formas de explicar o que está a fazer, e quando cresce muito também pode estar a fazer muitos erros, como foi caso na legislatura anterior”, disse.

Nas previsões económicas de outono divulgadas hoje em Bruxelas, o executivo comunitário estima que o Produto Interno Bruto (PIB) de Portugal cresça 2% este ano, acima da anterior estimativa de 1,7% divulgada em julho e uma décima acima da previsão do Governo.

A Comissão adianta, contudo, que "o ritmo de moderação previsto no verão ainda parece provável, apesar de partir agora de uma base mais alta".

Para 2020, a Comissão Europeia manteve em 1,7% a previsão para o crescimento da economia portuguesa, abaixo do antecipado pelo executivo português.

No Projeto de Plano Orçamental enviado para Bruxelas em 15 de outubro, o Governo estimou que a economia portuguesa desacelere de um crescimento de 2,4% em 2018, para um crescimento de 1,9% em 2019 e volte a acelerar para um crescimento de 2% no próximo ano.