Presidente da República

primeiro-ministro

“Julgo que houve um reconhecimento de que a democracia tem as suas regras, os seus procedimentos, que todos devemos, sobretudo em momentos difíceis, em momentos mais complicados, manter uma grande serenidade e deixar funcionar regularmente as instituições da democracia”, afirmou, considerando que este é o “tempo do parlamento”, de os partidos “se entenderem e encontrarem as melhores soluções de futuro para Portugal”.











“Escusam de me tentar colar a uma ideia de que sou contra os partidos. Andam a tentar isso há seis meses e eu há seis meses que repito: diga uma frase, uma ideia, uma palavra que seja que tenha dito contra os partidos. Tenho um enorme respeito pelos partidos. Não quero um país sem partidos, onde os partidos não tenham um lugar central”