O Governo decidiu, esta sexta-feira, em reunião extraordinário do Conselho de Ministros, decretar dois dias de luto nacional, sábado e domingo, pela morte do escritor José Saramago. Em comunicado oficial, o Governo declara luto nacional por dois dias «como forma de expressão de pesar pela morte do escritor José de Sousa Saramago».

«José Saramago foi o autor português contemporâneo mais traduzido, com livros editados em todo o mundo, tendo recebido vários prémios literários e graus honoríficos, nacionais e internacionais, entre os quais o prémio Camões, em 1995, e o prémio Nobel da Literatura, em 1998», aponta o Executivo.

O Governo refere também que José Saramago é considerado «o principal responsável pelo reconhecimento internacional da prosa em língua portuguesa», tendo sido «romancista, poeta, dramaturgo, cronista, crítico literário, tradutor, jornalista e cidadão de reconhecida consciência política e cívica». «A singularidade da sua criação literária e a sua vasta obra enobrecem a língua e a cultura portuguesa», diz ainda o comunicado.

«Assim, em expressão de justa homenagem, entende o Governo declarar o luto nacional nos dias 19 e 20 de Junho de 2010», acrescenta o comunicado da reunião extraordinária do Conselho de Ministros.

Siga aqui as principais notícias sobre a morte do prémio Nobel português:

Adeus, querido Nobel (biografia)

Saramago despediu-se de «forma serena e tranquila»

Recorde a entrega do Nobel da Literatura (vídeo)

Cavaco diz que Saramago será sempre uma referência da cultura portuguesa

Sócrates: «Recebi a notícia da morte de José Saramago com muito pesar»

«Saramago vai durar o que durar a literatura portuguesa»

«Saramago estava muito magoado com o Estado»

Morreu Saramago: a emoção quando viu o filme «Ensaio sobre a Cegueira» (vídeo)

As últimas palavras de Saramago

A morte de José Saramago na imprensa internacional

Recorde as frases mais polémicas de Saramago

«Espanhóis choram Saramago como um dos nossos», escreve Zapatero

Conselho de Ministros extraordinário para debater luto nacional

«Embargo», a última adaptação de José Saramago que o Nobel já não verá