A ministra da Saúde afirmou, esta quarta-feira, que não basta ter mais profissionais no Serviço Nacional de Saúde (SNS), avisando que é preciso perceber se são geridos da melhor forma e responsabilizando os hospitais por essa gestão.

Na comissão parlamentar de Saúde, Marta Temido garantia aos deputados que existem “mais meios” humanos no SNS, mas rejeitou que o cumprimento dos tempos máximo de resposta aos utentes em consultas e cirurgias deva ser uma responsabilidade exclusiva política, do Governo.

Mais meios existem. A questão é se os estamos a gerir da forma mais eficiente”, declarou, num momento em que a comissão parlamentar debatia os tempos máximos de resposta garantidos e a necessidade de recursos humanos nos serviços públicos de saúde.

Marta Temido vincou que há algumas unidades de saúde para as quais te de se “olhar com muito cuidado”, por terem “mais meios humanos e menor produtividade”, considerando que isso é preocupante.

Não me parece que vamos resolver algum problema do SNS se insistirmos em prevenir que a responsabilidade dos tempos máximo de resposta garantidos é responsabilidade exclusiva política do Governo e não formos compreender o que se passa em determinada instituição”, insistiu.

O reforço de profissionais no SNS tem sido uma bandeira deste Governo, que aponta para mais cerca de 9.000 profissionais desde o início da legislatura.