O ministro das Infraestruturas e da Habitação afirmou que é preciso aprender com o que aconteceu no acidente em Soure, entre uma máquina de trabalhos e um Alfa Pendular, para diminuir os riscos de acidentes ferroviários.

"Acreditamos na ferrovia. Eu não diria que a ferrovia passa a ser um meio de transporte inseguro, mas não impede que os acidentes possam acontecer como este aconteceu. Mas temos de aprender com o que aconteceu para diminuir mais os riscos de acidentes na ferrovia", disse Pedro Nuno Santos, que falava aos jornalistas em Soure, próximo do local do acidente.

O descarrilamento de um comboio Alfa Pendular, no concelho de Soure, distrito de Coimbra, fez dois mortos, seis feridos graves e 19 feridos ligeiros.

O comboio seguia no sentido Sul-Norte e o descarrilamento ocorreu após o embate entre o Alfa Pendular e uma máquina de trabalho.

O ministro salientou que "a ferrovia é um dos meios de transporte mais seguros, mas infelizmente acontecem acidentes".

Pedro Nuno Santos recordou que o Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) vai investigar as causas do acidente, escusando-se a "especular sobre as causas do acidente".

O Governo quer perceber "o que aconteceu de errado, o que poderia ter sido feito, para serem tiradas todas as ilações", frisou.

Questionado sobre o investimento na ferrovia, Pedro Nuno Santos sublinhou que está a ser feito um investimento "sem precedentes" neste setor, salientando que isso "não quer dizer" que não haja problemas.

"O mais que podemos fazer é esperar pelas conclusões. Agora que o investimento na ferrovia está a fazer-se como há muitas décadas não se fazia em Portugal é uma verdade", salientou.

/ AM