O PS criticou este sábado o PSD por ter aprovado em congresso uma proposta de alteração aos seus estatutos de cariz «estalinista» e de impor na sua organização interna um clima de «claustrofobia democrática».

O que diz a «lei da rolha»

A posição dos socialistas foi transmitida em conferência de imprensa por Vitalino Canas, depois de o Congresso do PSD ter aprovado a «lei da rolha» que surge de uma proposta de alteração aos estatutos que partiu de Pedro Santana Lopes, que recusa a designação dada no congresso à alteração.

A opinião dos constitucionalistas

«Fiquei incrédulo e estupefacto quando tomei conhecimento dessa alteração estatutária. A confirmar-se essa alteração estatutária, quase 36 anos após o 25 de Abril de 1974, estaremos perante uma verdadeira lei da rolha, uma lei estalinista implementada por um partido democrático», afirmou Vitalino Canas.

Para este membro do Secretariado Nacional do PS, a alteração estatutária dos sociais-democratas «é insólita» e «é possível que nem sequer exista em outros partidos». «No PS não existe isso, nem existirá e, se alguém quisesse que existisse, muitos de nós lutaríamos contra uma norma estatutária com essa natureza», referiu.

Depois, Vitalino Canas citou uma acusação feita na anterior legislatura pelo candidato a líder do PSD Paulo Rangel sobre a existência de um clima de «claustrofobia democrática» em Portugal.

«Nos últimos tempos o PSD tem vindo a sustentar que há claustrofobia democrática. Mas afinal a claustrofobia democrática existe dentro do PSD e não do país», afirmou.
Redação / CLC