O primeiro-ministro felicitou a alemã Ursula von der Leyen pela sua eleição para o cargo de presidente da Comissão Europeia e afirmou esperar que concretize a agenda estratégica progressista da União Europeia com a qual se comprometeu.

Esta posição foi transmitida por António Costa numa nota na rede social Twitter, depois de Ursula von der Leyen, de 60 anos, do partido União Democrata-Cristã (CDU), ter sido eleita para a presidência da Comissão Europeia pelo Parlamento Europeu, numa votação em que obteve 383 votos a favor, 327 contra, 22 abstenções e um voto nulo.

Na sua mensagem, o primeiro-ministro português fez questão de acentuar que o "próximo passo", deverá ser "a adoção de um orçamento plurianual que corresponda às ambições desta nova agenda em resposta às expectativas dos nossos cidadãos".

Marcelo saúda "final feliz" com eleição de Ursula Von der Leyen

O chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, saudou a eleição de Ursula Von der Leyen felicitando-a e também ao Parlamento Europeu e Conselho Europeu por este "final feliz".

Numa nota divulgada no portal da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa considera que esta eleição é "muito importante para o normal funcionamento das instituições europeias".

"Com este resultado, a presidente Ursula Von der Leyen será finalmente a primeira mulher a ser eleita para dirigir os destinos da Comissão nos próximos cinco anos", salienta o Presidente da República.

Na mensagem publicada no portal da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa "saúda e felicita Ursula Von der Leyen pela sua eleição, esta tarde, pelo Parlamento Europeu, como nova presidente da Comissão Europeia, e deseja-lhe os maiores êxitos".

"O Presidente da República felicita também o Parlamento Europeu, o Conselho Europeu e os seus membros por este final feliz, muito importante para o normal funcionamento das instituições europeias", lê-se na mesma nota.

Governo "regozija-se" com eleição de Von der Leyen

O ministro dos Negócios Estrangeiros português disse que o Governo se regozija com a eleição de Ursula Von der Leyen como presidente da Comissão Europeia, sublinhando que os seus compromissos “vão todos no sentido certo”.

“O Governo regozija-se com o resultado da votação e a eleição por parte do Parlamento Europeu da personalidade proposta pelo Conselho europeu para o exercício da presidência da Comissão Europeia”, afirmou Augusto Santos Silva à margem da comissão parlamentar de Negócios Estrangeiros onde esteve a ser ouvido esta tarde.

“Como o primeiro-ministro teve ocasião de dizer ontem [segunda-feira], entendemos que os compromissos assumidos pela presidente eleita são muito claros e vão todos no sentido certo”, disse o chefe da diplomacia português.

Segundo Santos Silva, a nova presidente da Comissão Europeia pauta-se pela “defesa do Estado de Direito, defesa do completamento da União Económica e Monetária, defesa da criação do instrumento orçamental para a competitividade e a convergência e defesa da atenção que a Europa toda deve prestar à transição energética e à descarbonização da nossa economia”.

Os compromissos de Ursula Von der Leyen tomou enquanto candidata “indicam que dirigirá uma comissão no sentido" que Portugal sempre defendeu: "maior integração europeia, maior capacidade da Europa de responder às necessidades dos cidadãos e assegurar a prosperidade das nossas economias, assegurar a convergência económica e social no interior da União Europeia, defender o Estado de direito e o protagonismo da Europa nas grandes agendas do mundo de hoje”, concluiu.

A alemã Ursula Von der Leyen, de 60 anos, do partido União Democrata-Cristã (CDU), foi hoje eleita para a presidência da Comissão Europeia pelo Parlamento Europeu, numa votação em que obteve 383 votos a favor, 327 contra, 22 abstenções e um voto nulo.

A candidata indigitada pelo Conselho Europeu para presidir à Comissão Europeia irá suceder em 01 de novembro ao luxemburguês Jean-Claude Juncker, que liderou o executivo comunitário nos últimos cinco anos, e será a primeira mulher a ocupar este cargo.

Segue-se agora o processo de composição do novo Colégio de Comissários, que será submetido a um voto de aprovação em outubro.