Várias personalidades políticas, amigos e familiares de Freitas do Amaral compareceram este sábado no velório de Freitas do Amaral. O funeral realiza-se ao início da tarde no cemitério da Guia, em Cascais, e contará com honras militares.

Em dia de luto nacional, o Presidente da República e o primeiro-ministro prestaram a última homenagem a Freitas do Amaral no Mosteiro dos Jerónimos. As cerimónias fúnebres iniciaram-se com uma missa, antes de o corpo ser levado em cortejo fúnebre até Cascais. 

Diogo Pinto Freitas do Amaral, professor universitário, nascido na Póvoa de Varzim, no distrito de Porto, em 21 de julho de 1941, morreu na quinta-feira, aos 78 anos.

Foi presidente do Centro Democrático Social (CDS), partido que ajudou a fundar em 19 de julho de 1974, e fez parte de governos da AD, entre 1979 e 1983, e mais da tarde do PS, entre 2005 e 2006, após ter saído do CDS em 1992, tendo exercido as funções de vice-primeiro-ministro, ministro da Defesa e dos Negócios Estrangeiros.

O corpo de Freitas do Amaral esteve em câmara ardente no Mosteiro dos Jerónimos desde as 17:00 de sexta-feira. A Igreja de Santa Maria de Belém fechou às 22:00 e reabriu no sábado às 09:00. Pelas 12:00 , houve uma missa celebrada pelo bispo auxiliar de Lisboa, seguindo o cortejo fúnebre, às 13:00, para o cemitério da Guia, em Cascais.