O Presidente da República esclareceu esta segunda-feira à Lusa que, com as declarações que proferiu sobre as suas pensões, apenas quis ilustrar que acompanha a situação dos portugueses que atravessam dificuldades, não tendo sido seu propósito eximir-se dos sacrifícios.

«Não foi obviamente meu propósito eximir-me aos sacrifícios que os portugueses estão a fazer nos dias de hoje, tendo mesmo insistido que o meu caso pessoal não estava em questão», refere o chefe de Estado numa declaração escrita à Lusa, em resposta às questões colocadas sobre as declarações que proferiu na sexta-feira acerca das suas pensões.

Reconhecendo que, face à questão que lhe tem «sido colocada insistentemente» sobre as pensões que aufere, não terá sido «suficientemente claro quanto à intenção do que queria transmitir», Cavaco Silva esclarece que a sua intenção foi ilustrar, com o seu próprio exemplo, que acompanha a situação dos portugueses que atravessam dificuldades.

«Apenas quis ilustrar, com o meu exemplo, que acompanho as situações que chegam ao meu conhecimento de cidadãos que atravessam dificuldades e para as quais tenho chamado a atenção em diversas intervenções públicas», refere Cavaco Silva.

A polémica em redor das suas declarações levou a que fosse criada uma a petição «online» a pedir a sua demissão e já quase quatro mil pessoas assinaram o documento.
Redação / PP