O primeiro-ministro justificou a «escolha política» de atribuir à Cultura uma maior percentagem da receita dos jogos sociais com a necessidade de proteger o sector da «política geral de austeridade» a que o Estado está obrigado.

«Essa decisão deveu-se à ideia que é necessário proteger o sector da cultura de uma política geral de austeridade», afirmou José Sócrates, numa intervenção no final da cerimónia de apresentação do fundo de apoio à internacionalização e exportação da cultura portuguesa e da criação da Rede Portuguesa de Teatros Municipais.

Recordando que o Conselho de Ministros aprovou recentemente uma alteração na grelha de distribuição das receitas dos jogos sociais, passando a Cultura a ficar com uma percentagem de 3,5 por cento dessa receita, em vez de 2,2 por cento, o primeiro-ministro salientou que o sector passará agora a dispor de mais cinco milhões de euros por ano.

«Isto significa apenas uma escolha política, não significa que aumentámos o défice orçamental para mais cinco milhões aumentando a despesa da cultura», referiu.
Redação / CP