O presidente do Governo Regional, Carlos César, salientou que este domingo se abre «um novo ciclo político» nos Açores, com novas políticas, e, apesar de não ser candidato nestas eleições, admite que será um domingo de «ansiedade».

«Abre-se um ciclo correspondente a novos desafios que exigem, certamente, outros impulsos», afirmou Carlos César aos jornalistas, após ter votado na Junta de Freguesia da Fajã de Baixo, em Ponta Delgada, ilha de S. Miguel.

O atual presidente do Governo Regional socialista referiu que a forma mais adequada de governar nesta fase de transição «é corresponder à mudança com novas políticas», alegando que foi o que fez ao longo de 16 anos de governação.

Para Carlos César este será um domingo de «ansiedade» mesmo não sendo candidato: «Pessoas como eu vivem a atividade política e o destino dos Açores na primeira ordem das suas preocupações».

Questionado pelos jornalistas quanto ao seu futuro político, Carlos César, que seguia com o neto, escusou-se a responder, alegando que «não tem importância nenhuma».

À saída da Junta de Freguesia, Carlos César participou numa sondagem da Universidade Católica, ironizando que é a primeira vez que o seu voto será público, devido à presença de câmaras de televisão e fotógrafos em seu redor.

As eleições regionais nos Açores, onde estão inscritos cerca de 225 mil eleitores, destinam-se a escolher os 57 deputados da Assembleia Legislativa, surgindo Vasco Cordeiro (PS) e Berta Cabral (PSD) como principais candidatos à presidência do Governo Regional.
Redação