A vice-presidente do PSD Teresa Leal Coelho está a causar polémica por ter dito no final da sua intervenção, no debate parlamentar desta quinta-feira, que era a Troika quem pagava a todos os deputados do Parlamento.

A declaração foi dirigida a João Semedo do Bloco de Esquerda, e serviu como resposta a Francisco Louçã que durante a intervenção de Teresa Leal perguntou: «É a Troika que lhe paga o salário?».

«Pergunto se pode olhar nos olhos dos portugueses e dizer-lhes que este debate está a ser pago, financiado, não por um Moscovo soviético mas por uma Troika que financia os vencimentos de quem aqui falou», questionou a vice dos sociais-democratas.

Na restante intervenção, a vice-presidente do PSD lembrou o Parlamento que o Governo de Passos Coelho foi escolhido de forma democrática e livre para os compromissos nacionais e internacionais.

«Se forem consultar os dados do ultimo sufrágio realizado em Portugal, vão ver que os portugueses escolheram esta coligação para governar Portugal, é este o Governo legítimo de Portugal», disse em resposta às moções de censura.

A social-democrata acusou diretamente o deputado João Semedo e o Bloco de Esquerda de viverem num tempo distante da realidade dos «portugueses que estão no século XXI». «Os senhores estão na terra dos anos 80, estão algures antes da queda do Muro de Berlim. É nesse contexto que vocês querem governar Portugal».

A deputada atribui ainda responsabilidades ao PS e ao executivo de José Sócrates pelo estado em que o país se encontra. Parte do défice e da dívida veio do tempo em que os socialistas estiveram a governar o país, defendeu Teresa Leal.
Redação / RF