O jogo amigável entre Portugal e Cabo Verde foi marcado por muitas estreias na seleção portuguesa: foram sete os jogadores portugueses que fizeram a sua primeira internacionalização pela equipa das Quinas.

Mas houve mais estreias. E uma delas não foi o selecionador que a proporcionou a um jogador, mas o próprio Fernando Santos a fazê-la. A seleção portuguesa comandada pelo engenheiro estreou-se a perder em casa.

Os sete jogadores a quem Santos deu a primeira internacionalização AA foram Anthony Lopes, Paulo Oliveira, André Pinto e Bernardo Silva – que brindaram essa estreia com a titularidade – e também Ukra, Danilo Pereira e André André – que se estrearam a partir do banco de suplentes.

Ao sexto jogo à frente de Portugal, o selecionador nacional já deu a primeira internacionalização a 13 jogadores; juntando-se àqueles sete os nomes de Tiago Gomes, José Fonte, Adrien Silva, João Mário, Cédric Soares e Raphaël Guerreiro.

Com 13 estreias em seis jogos, o valor de média de Fernando Santos (2,1) equivale a dois jogadores em estreia por jogo realizado.



Comparando Santos com o seu antecessor, Paulo Bento estreou 23 jogadores em 47 jogos (valor médio de 0,48): João Pereira, Rui Patrício, Paulo Machado, André Santos, Nélson Oliveira, Miguel Lopes, Custódio, Éder, Hélder Barbosa, Pizzi, Luís Neto, Vieirinha, Sereno, André Martins, Licá, André Almeida, Josué, William Carvalho, Rafa Silva, Ivan Cavaleiro, Ricardo Horta, André Gomes e Rúben Micael.

Luiz Felipe Scolari é o recordista absoluto de estreias (30) na Seleção, mas, relacionando com o número de jogos feitos (74), o valor médio (0,4) é semelhante ao de Bento: Cristiano Ronaldo, Deco, Ricardo Carvalho, Raul Meireles, Bruno Alves, Nani, Hélder Postiga, João Moutinho, Miguel, Maniche, Pepe, Hugo Almeida, Miguel Veloso, Quaresma, Bosingwa, Duda, Carlos Martins, Ricardo Costa, Manuel Fernandes, Luís Loureiro, Rogério Matias, Makukula, Alex, Antunes, Silas, Daniel Fernandes, João Alves, Tonel, Bruno Vale e Paulo Santos.

Fernando Santos aproxima-se já do número absoluto de Carlos Queiroz (16 estreias) em 29 jogos (valor médio de 0,55): Fábio Coentrão, Eduardo, Danny, Rolando, Liedson, Rúben Amorim, Beto, Edinho, Eliseu, Nélson, Gonçalo Brandão, César Peixoto, Hilário, Moreira, Orlando Sá e Zé Castro.

Com estes sete jogadores em estreia num jogo, Fernando Santos ficou a uma estreia de José Maria Antunes, o selecionador de Portugal que mais jogadores lançou no mesmo jogo pela primeira vez. Foram oito estreias com a camisola das Quinas no Portugal-México (0-0) de 1969 (excluindo o primeiro jogo da história da Seleção Nacional).



O Rio Ave também está na lista dos estreantes, pois o emblema de Vila do Conde tornou-se o 38º clube português a ter jogadores a representarem a Seleção Nacional – o que não acontecia há oitos anos (com P. Ferreira em 2007) – quando Ukra entrou em campo. O Kuban Krasnodar é o 80º emblema estrangeiro a colocar um jogador na seleção portuguesa graças a Hugo Almeida.

O Sporting reforçou a liderança como clube que mais jogadores deu à seleção portuguesa: Paulo Oliveira é o 141º leão a envergar as Quinas (segue-se o Benfica com 139 internacionais).

A primeira derrota em casa de Fernando Santos à frente da Seleção marca também a estreia de Cabo Verde a vencer Portugal. A última vez que Portugal tinha perdido como anfitrião tinha sido no último jogo do seu antecessor Paulo Bento (frente à Albânia).

Portugal não perdia por mais de um golo desde os 4-0 com a Alemanha no Mundial do Brasil e não perdia em casa por dois golos de diferença desde junho de 2012, quando a seleção nacional foi batida pela Turquia por 3-1 em Lisboa.
Pedro Calhau