A bolsa atenuou as perdas ao fim da tarde mas, nos últimos minutos, voltou a ceder, devido em grande parte aos títulos da banca, que fecharam com perdas elevadas.

O PSI20 encerrou com uma desvalorização de 0,63 por cento, para 6.147,04 pontos.

Num dia em que os títulos fortes da banca mundial estiveram em queda, com o aumento dos receios a nível do impacto das ajudas no sistema financeiro e a corrigir de ganhos de sessões anteriores, o BPI tombou 6,43% para 1,47 euros, o BES caiu 5,08% para 3,46 euros e o BCP recuou 4% para os 60 cêntimos.

O dia foi também fortemente penalizador para a Jerónimo Martins, que recuou 3,49% até aos 3,57 euros, e para o peso pesado das telecomunicações.

As acções da Portugal Telecom fecharam nos 5,65 euros, com uma derrapagem de 1,57%. A estrela da sessão nas telecomunicações foi a Sonaecom, que tem feito uma boa performance semanal, ao escalar 4,39% para os 1,45 euros.

O cenário foi, aliás, novamente positivo para outra empresa da família Azevedo: a Sonae Indústria avançou 6,29% para os 1,64 euros.

Na energia, foi uma sessão de grandes ganhos: a EDP escalou 1,29% para 2,74 euros e a Galp Energia fechou com uma valorização de 2,50% até aos 9,20 euros.

Na restante Europa, o dia correu melhor. Os ganhos oscilaram entre os 0,1 e os 0,7 por cento: o IBEX somou 0,11%, o CAC 0,51%, o Dax 0,63% e o FTSE 0,68%.

Nos Estados Unidos, e apesar de um bom sinal de recuperação de alguns títulos no sector automóvel e farmacêutico, os mercados seguem agora em baixa: o Dow Jones cai 0,39%, enquanto o Nasdaq 1,02%.