Os Correios de Portugal contam avançar com a nova plataforma de serviços financeiros e alcançar os 100 estabelecimentos até Junho do próximo ano.

A garantia foi dada pelo presidente da instituição, Estanislau Mata da Costa, esta quarta-feira, à margem da apresentação dos resultados semestrais da empresa.

É este o primeiro cenário avançado pelos CTT, num projecto que surge depois do falhanço do banco postal (que esteve para ser criado em parceria com o Banif e, posteriormente, com a Caixa Geral de Depósitos).

«Ainda não tem nome, mas estamos a trabalhar ao nível dos sistemas de informação», disse o presidente sobre a nova plataforma. A ideia é passar a disponibilizar serviços financeiros, sejam de poupança, seguros, depósitos e créditos, a partir de parcerias com várias instituições.

Além dos 100 estabelecimentos previstos para o primeiro semestre do próximo ano, a ideia dos CTT é chegar aos 400 postos um ano depois dessa data.

«Estamos disponíveis para analisar todas as propostas», referiu quanto a negociações com potenciais parceiros.

Recorde-se que a empresa já possui os Serviços Financeiros Postais e vende seguros da Fidelidade Mundial.

Os CTT registaram lucros de 31,6 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, mais 14,9 por cento que no mesmo período do ano passado, anunciou a empresa em conferência de imprensa.

Nos mesmos seis meses, a empresa atingiu um EBITDA de 59,8 milhões de euros, ou seja, mais 5%.