Acordo mantém vantagem competitiva face aos EUA