O Governador do Banco do Canadá confirmou na terça-feira que a economia do país irá entrar em recessão, reiterando a previsão de quebra de 1,9 por cento no Produto Interno Bruto (PIB) em 2009, refere a agência Lusa.

Numa inquirição na Comissão de Finanças do Parlamento canadiano, em Otava, Mark Carney considerou que uma inversão da trajectória de declínio da economia canadiana dependerá muito das medidas de apoio ao sector financeiro que forem tomadas pelas economias mundiais.

Em particular, Carney realçou a importância das decisões já tomadas no âmbito do G7, os sete países mais ricos do mundo, para evitar o colapso da banca, mas sublinhou que a tarefa está longe de concluída.

Quanto ao Canadá, Carney elogiou o pacote de estímulos, contido no Orçamento federal aprovado, o qual contempla a 40 mil milhões de dólares canadianos (25 mil milhões de euros) em dois anos.

Dada a dependência comercial dos Estados Unidos, as medidas de Washington para a sua economia interna são seguidas atentamente no Canadá.

Quando instado sobre as projecções para a economia canadiana em 2010, Carney reafirmou que sofrerá ainda o impacte das dificuldades, mas admitiu que deverá observar um crescimento real de 3,8 por cento no próximo ano.

Alguns parlamentares criticaram estas últimas projecções apontando-as como «optimistas», ao que Carney retorquiu que o Banco do Canadá não é nem optimista ou pessimista, mas sim realista.

Só em Janeiro passado o Canadá contabilizou uma perda de 129 mil empregos, o que fez subir a taxa de desemprego para 7,2 por cento, resultado que recua aos piores níveis de há três décadas.

Desde Outubro de 2003, o total de perda de empregos atingiu 231 mil no país.