A fábrica de Évora da multinacional Tyco Electronics anunciou hoje a suspensão de contratos de trabalho a mais 60 operários, a partir de Março, e a redução do período normal de trabalho para os restantes durante quatro meses.

A decisão surge depois de duas paragens da produção, em Dezembro do ano passado e no início de Fevereiro deste ano, e da suspensão de contratos de trabalho a 346 operários, em Janeiro, por um período de seis meses, avança a Lusa.

A multinacional norte-americana revela que foi «alcançado um acordo» com os três sindicatos representativos dos trabalhadores depois de concluído o período de informação e negociação.

A Tyco Electronics prevê «iniciar uma nova suspensão de contratos de trabalho, abrangendo 60 trabalhadores, com início a 11 de Março, e com uma duração máxima de seis meses».

A empresa anuncia ainda a redução média de 0,7 dias de trabalho por semana durante quatro meses, com início na mesma data.

A redução do período normal de trabalho abrangerá todos os sectores da fábrica, com excepção dos sensores, onde a «quebra de encomendas não é tão significativa».

«Para minimizar os efeitos financeiros da redução, o trabalhador pode optar por utilizar dias de férias, dentro dos condicionalismos impostos pela lei».

Por outro lado, a Tyco Electronics garante que «o direito a férias, subsídio de férias e subsídio de Natal não é prejudicado pela suspensão do contrato de trabalho, nem pela redução do período normal de trabalho».
Redação / SPP