O administrador judicial da Qimonda afirma que, até ao final do mês, não vai ser possível conseguir um acordo com um investidor capaz de salvar a empresa, apesar de existirem potenciais interessados.

O administrador judicial da Qimonda reconhece, numa entrevista que concede hoje a um jornal alemão, citado pela «TSF», que embora haja interessados, até final do mês, já não será possível firmar um acordo com um investidor que aceite comprar a empresa.

Há potenciais investidores na Europa e na China, mas não foi apresentada qualquer oferta concreta. A condição imposta pelo Estado para apoiar a Qimonda é que se encontre quem seja capaz de viabilizar a empresa.

Nesta altura a prioridade é arranjar dinheiro que evite que a produção da Qimonda tenha de ser interrompida. Ao que tudo indica os trabalhadores vão ter que ser transferidos para uma outra empresa e a produção poderá já ser reduzida em Abril.

O prazo para encontrar um investidor terminava no final deste mês, mas uma eventual solução que evite a falência da Qimonda fica assim remetida para mais tarde.
Redação / MD