Durão Barroso manifestou esta sexta-feira em Bruxelas ao ministro-presidente do Estado da Saxónia receptividade para apreciar um «projecto concreto» de salvamento e reestruturação da Qimonda, disse à Lusa a porta-voz do presidente da Comissão Europeia.

José Manuel Durão Barroso recebeu hoje na sede da Comissão o ministro-presidente da Saxónia, Stanislaw Tillich, com o qual debateu o risco de encerramento da Qimonda, empresa alemã de semicondutores com fábricas na Alemanha e em Portugal.

A porta-voz do presidente da Comissão, Leonor Ribeiro da Silva, disseque Durão Barroso se comprometeu a abordar qualquer tentativa de salvamento e reestruturação da empresa com «mente aberta e construtiva», mas sublinhando que, para que tal aconteça, é necessário que primeiro seja submetido à Comissão Europeia um «projecto concreto».

No seu encontro com Tillich, Durão Barroso «concordou plenamente» com o responsável alemão sobre a importância estratégica da indústria de semicondutores para a Europa, tendo dado conta da intenção do executivo comunitário de apresentar um Livro Branco sobre esta indústria em Maio, acrescentou a porta-voz.

Por seu turno, em declarações à imprensa à saída da reunião, Stanislaw Tillich indicou que mantém esperança numa solução que permita salvar a empresa, que passará por encontrar um investidor estratégico e um plano empresarial, e disse sair «mais confiante» de Bruxelas, após ouvir o presidente da Comissão dizer que é importante manter a indústria de semi-condutores na Europa.

A Qimonda, com sede em Munique, emprega 12 mil trabalhadores em todo o mundo, e as suas principais fábricas de semicondutores situam-se em Dresden e em Vila do Conde, empregando a unidade de produção portuguesa cerca de 2.000 trabalhadores.
Redação / SPP