Prejuízos históricos





Governo pode ficar com até 25% do banco