Entre Janeiro e Novembro deste ano, o PSI20 regista mais quatro cotadas com valorizações acima de 40%: Teixeira Duarte (+48%), Cofina (+48%), Impresa (+47,71%) e a ParaRede (42,31%). Já as menores valorizações pertenceram à Cimpor (+1,71%), ao Banco Espírito Santo (+2,31%) e o Banco BPI (+4,79%).

No sentido oposto, apenas dois títulos se mantêm com variações negativas: a Jerónimo Martins (-8,51%) e a Corticeira Amorim (-5,22%).

Entre as 20 maiores empresas cotadas, a Impresa foi a que registou a maior valorização no mês de Novembro (+13,38%), impulsionada pelo negócio com o BPI para o controlo da SIC. Seguiu-se a Sonaecom, com uma valorização de 6,33%. A subsidiária para as telecomunicações do grupo liderado por Belmiro de Azevedo foi estimulada pelo lançamento de um telefone fixo sem assinatura mensal. Um produto que iria fazer concorrência com a rede fixa da PT, mas que a Anacom mandou retirar do mercado sob o argumento de que não cumpre o plano de portabilidade.

Ao longo do mês de Novembro, o mercado de cotações oficiais registou a negociação de 836 milhões de acções em 121 mil negócios, num montante de 2,6 mil milhões de euros. «De salientar que Novembro, (¿), foi o melhor mês em número de negócios desde Fevereiro, e em número de acções e valor transaccionados desde Abril. Os três campos mencionados (número de negócios, número de acções transaccionado e valor negociado) atingiram valores superiores à média diária verificada até à data, no ano de 2004», refere a Euronext Lisboa em comunicado.

«No que respeita ao valor negociado no segmento accionista do mercado, verificou-se uma variação mensal positiva de 32,2% e um crescimento homólogo de 77,9%.»
Sandra Pedro