Face às notícias veiculadas pela comunicação social de um eventual encerramento da fábrica da OPEL na Azambuja, por os custos das viaturas aí produzidas não serem competitivos, as organizações estão «disponíveis e determinadas a mobilizar, de imediato, os fabricantes portugueses de componentes para a indústria automóvel no sentido de se encontrarem soluções, no curto prazo, que conduzam à redução dos custos da produção das viaturas em questão», referem em comunicado.

Tendo em atenção que decorrem diligências por parte do Governo português no sentido de criar condições para que uma eventual decisão, por parte da GM, de encerramento da fábrica da Azambuja, não venha a ocorrer, «tomámos a liberdade de dar conhecimento desta carta a Suas Excelências o Primeiro-Ministro e Ministro da Economia e da Inovação», finalizam.