«Eu já há cerca de três meses previ que o desemprego antes de descer iria descer e apontei para um valor próximo dos 7%», afirmou aos jornalistas, à margem da apresentação do Plano Nacional para a Inovação, em Lisboa.

Segundo o ministro, «esta é a forma normal de evolução do desemprego, é evidente que é negativo, especialmente para aqueles que ficam desempregados». Mesmo assim, «em termos europeus, ainda compara favoravelmente. A taxa média é de 9% e alguns países, como a Espanha, têm uma taxa de 12% de desemprego», lembrou.

E adianta contar que, «com a dinamização da economia, pudesse começar a descer o desemprego no segundo semestre de 2005».
Paula Martins