O aumento dos ganhos deverá ser «acompanhado pela melhoria da qualidade dos resultados gerados, mais enfocados nas actividades core e com uma estrutura de custos operacionais menor». De resto, o banco prevê uma forte geração orgânica de capital, adequada para (¿) suportar o desenvolvimento orgânico do banco e assim reforçar a criação de valor para os accionistas».

«Prevemos exceder os objectivos anteriormente mencionados para 2006 e estamos em condições de fixar novas e ambiciosas metas para 2007», refere o presidente do banco, Paulo Teixeira Pinto, explicando que, «face à evolução muito positiva das várias áreas de actividade, e à fixação de novos objectivos, estimamos que o Banco possa apresentar, de forma consistente, um crescimento anual de resultados por acção superior a 20% até 2008, para o actual número de acções, contribuindo assim em crescente ritmo para a criação de valor».

Também tendo em conta «os bons resultados alcançados» e «a crescente dinâmica de desenvolvimento e aumento de rendibilidade», o BCP elevou os objectivos anteriormente divulgados para a actividade de Banca de Retalho em Portugal. Assim, em vez dos iniciais 150 a 170 milhões de euros, o banco espera agora um montante de 190 milhões de euros. Para 2007, o objectivo acumulado é agora de 250 milhões de euros, ou seja, mais 80 a 100 milhões de euros do que em 2006.
Redação / PGM