Este resultado, que representa o maior resultado líquido nos 16 anos de existência do Bank Millennium é fruto de uma melhoria dos resultados recorrentes, bem como da conclusão da venda da participação na PZU, que originou mais valias líquidas de 83,6 milhões de euros.

Em consequência dos resultados, a instituição polaca irá submeter à aprovação da Assembleia-geral de accionistas uma proposta de distribuição de dividendo no total de

118,8 milhões de euros ( um rácio distribuição de 81% dos resultados líquidos do ano), o que corresponde a um dividendo por acção de 0,14 euros por acção, equivalendo a um dividend yield de 10,3%.

O banco anunciou, também, uma nova fase da sua estratégia de crescimento, com o plano para proceder à abertura de 160 novos balcões até ao ano de 2008, para reforçar a presença junto dos segmentos affluente e small business, bem como uma nova imagem de marca.

A margem financeira (incluindo margem relativa a swaps de taxas de câmbio e divisas) gerada pelo banco em 2005 ascendeu a 153,8 milhões de euros, um crescimento de 3,7% face ao ano de 2005 (148,4 milhões de euros).

As comissões líquidas registaram um aumento significativo de 17,9% (de 55,7 milhões de euros em 2004 para 65,7 milhões de euros em 2005). O aumento foi sustentado pelo crescimento das comissões relacionadas com crédito (+58%), cartões de crédito (+29%) e fundos de investimento (+100%).

Os outros proveitos totalizaram de 147,9 milhões de euros (158,3 milhões de euros em 2004). O resultado total da actividade bancária em 2005 foi de 367,4 milhões de euros. Se excluirmos os proveitos não recorrentes o seu valor foi de 252 milhões de euros, o que representa um crescimento de 8,2% em comparação com o ano anterior (232,9 milhões de euros, com exclusão dos proveitos não-recorrentes).

Já o total de custos registou uma redução de 22,83% em comparação com o ano anterior (193,1 milhões de euros comparado com 250,2 milhões de euros em 2004).
Redação / BP