O índice PSI20 perdeu 0,37% para 10.052,90 pontos.

A pressionar esteve EDP caiu 0,95% para os 3,12 euros, a acompanhar o sector europeu. A Iberdrola aumentou em quase 1% a sua participação na eléctrica nacional.

Já o BCP paralisou nos 2,42 euros. O banco de Teixeira Pinto anunciou ontem, ao regulador do mercado, que não pretende alimentar polémicas em relação à OPA e que vai levar adiante a operação «dentro dos limites de total correcção».

A Portugal Telecom contrariou ao somar 0,20% para os 10,09 euros.

Nota negativa para a Sonae SGPS que derrapou 0,74% com cada acção a valer 1,35 euros, numa altura em que Belmiro de Azevedo anunciou que quer construir o décimo centro comercial em território brasileiro, no estado de Amazonas.

A Sonaecom ficou a valer 4,25 euros, no dia em que adia a apresentação dos seus resultados trimestrais para o próximo dia 2 de Maio.

A Brisa que derrapou 1,53% para os 8,34 euros, a ser pressionada pelo receio dos investidores quanto aos seus resultados trimestrais. E contas apresentadas depois do fecho de mercado, a concessionária de auto-estradas registou uma queda nos lucros em 31% para os 27,6 milhões de euros.

A liderar as quedas ficou a Impresa que escorregou 0,97% para os 5,08 euros, depois de ter apresentado uma redução dos lucros em 95%.

Ainda nos «media» e a impedir a bolsa de maiores quedas, esteve a Cofina que disparou 5,04% para os 3,96 euros. A empresa apresentou, também, ontem os seus resultados trimestrais, que registaram uma duplicação dos lucros líquidos para 2 milhões de euros.

No entanto, a estrela da sessão foi a Altri que atingiu hoje um novo máximo histórico ao alcançar 13,59% para os 4,43 euros. Segundo um operador contactado pela «Agência Financeira», esta subida surge em vésperas do «stock split», que ocorre já na próxima terça-feira.

Na Europa, as principais praças ficaram em terreno negativo. O CAC deslizou 0,48%, o IBEX 0,04%, o FTSE 0,30% e o DAX 0,65%

Nos Estados Unidos, os mercados seguem a transaccionar mistos, com o Dow Jones a ganhar 0,06% e o Nasdaq a desvalorizar 0,72%.
Redação / MD