A eventual liquidação do Banco Privado Português (BPP) custará cerca de 500 milhões de euros ao Tesouro e cerca de 190 milhões de euros, a serem pagos pelo sistema financeiro, ao abrigo das disposições legais aplicáveis.

Os valores são avançados pelo Conselho de Administração da Privado Holding, accionista única do BPP, que esteve reunido terça-feira a título extraordinário.

A empresa diz que «não entende o motivo pelo qual a proposta de viabilização apresentada pela Orey Financial junto do Banco de Portugal foi arquivada sem análise».

A Privado Holding adianta ainda que «continua activamente a trabalhar numa solução de viabilização do BPP que, dando resposta às preocupações manifestadas pelo Senhor Ministro das Finanças», cumpra os seguintes alguns requisitos, como não envolver dinheiros públicos de montante superior a um cenário de liquidação e não esteja dependente da Caixa Geral de Depósitos ou de qualquer outra entidade financeira pública.

A solução procurada deve ainda envolver um processo de capitalização do BPP que conte com os actuais accionistas (à excepção, óbvia, do accionista fundador), novos accionistas privados credíveis (nacionais e estrangeiros) com quem se encontra de momento em negociações, bem como a intenção já expressa por vários clientes de transformar parte dos seus activos ilíquidos em capital do novo banco.

Por fim, tem de garantir o pagamento integral dos investimentos efectuados pelos clientes de retorno absoluto.
Redação / PGM