A loja inaugurada esta quarta-feira conta com uma área líquida de vendas de 1.400 m2, e criou aproximadamente 150 postos de trabalho directos e indirectos.

A grande aposta da loja Sá é a qualidade aos seus vários níveis, nomeadamente no serviço de atendimento, nos produtos frescos, e principalmente em promoções.

«Hoje em dia o mercado está saturado de conceitos muito iguais, eu penso que a única maneira de sobreviver num mercado cada vez mais competitivo passa por ter uma diferenciação que consiga surpreender os consumidores. É isso que estamos a tentar fazer aqui, um espaço mais Gourmet, mais virado para as novas tendências do consumo, nesta loja apostamos fortemente no sector alimentar em detrimento do não alimentar», disse o administrador, Luís Sá.

Para além disso, as marcas próprias são outro desafio a que o grupo se propõe.

Marcas próprias devem passar de 6% para 10% das vendas

«As marcas próprias são cada vez mais uma aposta, já representam 6%, e queremos chegar aos 10%. Aliás algumas marcas já são líderes, como o arroz, temos importações directas, como é o exemplo do arroz Basmati, que vem directamente da índia», acrescentou o administrador.

Estando o sector alimentar em rápido crescimento é preciso combater a concorrência, e embora o grupo se escusasse a revelar quais os concorrentes directos das lojas Sá, adiantou que há poucos, mas para fazer face a estes já têm uma estratégia definida.

«A ideia é sermos mais competitivos a nível de preços. Outros poderão ter uma gama mais diversificada mas nós vamos tentar centrar-nos na qualidade-preço», adiantou.

Nova Cafetaria Severa avança este mês em franchising

Para o Continente, os projectos de expansão continuam. Já no final do mês, o grupo vai lançar em regime de franchising e com produtos originários da Madeira, a Cafetaria Severa, junto ao Campo Pequeno. Futuramente, o grupo irá surgir com uma nova loja, a Sá Gourmet.

«Já temos alguns espaços que nos foram propostos, principalmente na área de Lisboa vamos ser muito criteriosos na escolha dos mesmos, e depois de Lisboa poderão vir outros mais a Norte».

Com 18 insígnias, o grupo Sá já está presente também na restauração, cafetaria ourivesaria, torrefacção de café com a marca Diamante Negro, ou hotelaria.

Grupo quer duplicar investimento este ano

Para 2006, o objectivo do grupo Sá é duplicar o valor do investimento para os 6,5 milhões de euros com a abertura de mais dois estabelecimentos até final do ano, uma das novas lojas será um hipermercado, na Madeira, o que perfaz um total de 20 lojas, e um supermercado Sá, o primeiro da empresa em Porto Santo.

O grupo Sá registou uma facturação de 125 milhões de euros em 2005, contra 120 milhões do ano anterior.

Para 2006, o administrador do grupo Sá avança uma previsão de crescimento do volume de negócios entre os 5% e os 6%.

Durante a inauguração do novo espaço, o presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João jardim, incentivou os grupos económicos a quebrarem fronteiras e a investir fora do território, como alguns estão já a fazer.

«Para nós é importante, na medida em que muitos desses investimentos têm sede fiscal na Madeira e o Governo Regional também arrecada receita fiscal com isso», concluiu.