A Martifer registou lucros de 9,6 milhões de euros no primeiro semestre do ano, mais 93% que nos primeiros seis meses do ano passado. Uma melhoria que se deve «aos melhores resultados operacionais».

O resultado atribuível a minoritários aumentou de 0,2 milhões no 1º semestre de 2007 para 1,8 milhões de euros nos primeiros seis meses deste ano, principalmente devido às contribuições da Martifer Alumínios, Martifer Solar e Repower Portugal.

Segundo a empresa, os proveitos operacionais consolidados ascenderam a 372 milhões de euros, um crescimento de 78% face ao período homólogo para o qual todas as áreas de negócio contribuíram. Os proveitos operacionais da Construções Metálicas cresceram 22% para 154,5 milhões de euros, os proveitos da Equipamentos para Energia cresceram 227% para 118,4 milhões e os proveitos da Agricultura & Biocombustíveis cresceram 90% para 101,5 milhões. Os proveitos da Geração Eléctrica ascenderam a 7,5 milhões.

A margem EBITDA consolidada melhorou de 5,5% no 1º semestre de 2007 para 8% no 1º semestre de 2008, já que o EBITDA melhorou em todas as áreas de negócio. O EBITDA consolidado aumentou 170% para 29,6 milhões de euros.

Os encargos financeiros líquidos aumentaram para 4,2 milhões de euros devido, principalmente, ao maior endividamento e ao aumento das taxas de juro. A Martifer registou encargos com juros líquidos de 9,8 milhões, enquanto que, no sentido contrário, foram registados 2,2 milhões de euros relativos aos dividendos recebidos da posição na EDP e 3,2 milhões de euros de diferenças de câmbio favoráveis.

O investimento em activos fixos no período ascendeu a 79,5 milhões, com destaque para as áreas de negócio de Equipamentos para Energia e de Geração Eléctrica.

Semestre marcado por vários projectos

A empresa lembra que a unidade industrial de estruturas metálicas na Roménia e a expansão de capacidade da fábrica de torres foram concluídas no segundo trimestre de 2008. Os investimentos no cluster industrial de energia eólica e na fábrica de módulos fotovoltaicos estão «dentro do calendário previsto».

Os primeiros projectos fotovoltaicos «chave-na-mão» da Martifer Solar estão a ser concluídos em Espanha (18MW) e a Martifer Renewables iniciou a construção de capacidade eólica na Polónia e na Roménia e capacidade fotovoltaica em Espanha.

As acções da Martifer encerraram a cair 0,81% para 6,10 euros.
Redação / PGM