Num comunicado muito breve distribuído aos jornalistas, o Presidente da República anuncia apenas que comunicou ao primeiro-ministro que pretende «ouvir os partidos políticos com assento parlamentar e o Conselho de Estado», o que indica que se prepara para dissolver o Parlamento e, muito provavelmente, convocar eleições antecipadas.

Não são ainda conhecidos os motivos da provável saída de Santana Lopes, depois deste ter ido a Belém apresentar ao Presidente da República o nome para substituir Henrique Chaves. O ministro que acabara de transitar de ministro-adjunto do primeiro-ministro para a pasta da Juventude e Desporto apresentou a demissão, alegando, em carta aberta, «falta de lealdade e verdade» por parte de Santana Lopes.

A situação abriu uma crise política que levou Jorge Sampaio a pedir ao líder do Executivo garantias de estabilidade governativa, garantias essas que Santana Lopes parece não ter conseguido dar.