O ministro da Defesa defendeu esta quarta-feira, na «Grande Entrevista» que, na eventualidade do PS ser o partido mais votado nas próximas eleições, mas o PSD e o PP terem mais votos juntos, devem ser estes dois partidos a formar Governo.

«O fundamental é sabermos se vamos conseguir formar uma maioria de centro-direita na Assembleia da República. Quem tiver maioria, obviamente que oferece ao Presidente da República uma solução de Governo», defendeu Paulo Portas.

Na sua intervenção, o líder do PP reafirmou as críticas à atitude do Presidente da República, mas reconheceu que foram dados pretextos para a decisão de Jorge Sampaio de dissolver o Parlamento e convocar eleições antecipadas.

Portas disse ainda que o PSD e PP já têm a estratégia pós-eleitoral definida e desafiou José Sócrates a fazer o mesmo.

Quanto à decisão das listas separadas às eleições de 20 de Fevereiro, Portas justificou a decisão como uma forma de evitar os «atiradores furtivos» de cada um dos partidos.
Redação / rtp/AM