À saída do encontro, que durou menos de uma hora, Santana Lopes sublinhou que «apesar deste período pré-eleitoral, já quase de campanha, os assuntos de Estado continuam», para justificar a reunião de trabalho com Jorge Sampaio no Palácio de Belém.

O primeiro-ministro adiantou que, após a reunião do Conselho Superior de Defesa Nacional, na qual participou, discutiu com o Presidente da República assuntos internos, nomeadamente de política económica e actividade legislativa, e questões de política externa.

Relativamente à política externa, destacou entre os assuntos abordados as negociações em curso na União Europeia, nomeadamente sobre o Pacto de Estabilidade Económica, a situação no Iraque, e revelou que deu conta ao chefe de Estado de uma visita a realizar pelo ministro das Actividades Económicas, Álvaro Barreto, à Argélia.

A visita do ministro, indicou, visa «concretizar alguns aspectos» abordados na deslocação oficial que Santana Lopes efectuou o mês passado à Argélia, e ainda preparar a «visita muito importante» que o presidente argelino, Abdelaziz Bouteflika, efectuará a Portugal, «provavelmente em Maio».

Relativamente às matérias internas, sublinhou a actividade legislativa e a análise de alguns diplomas, e, a este respeito, frisou o «excelente relacionamento institucional» com o Presidente da República, recordando que dezenas de diplomas foram promulgados.

Alguns destes diplomas, disse, estão em fase de apreciação e apenas relativamente a «dois ou três o Presidente levantou questões», o que Santana Lopes considerou «perfeitamente normal».

No final, questionado pelos jornalistas sobre se contava regressar ao Palácio de Belém enquanto primeiro-ministro, sorriu e respondeu que sim.

Realizada na antevéspera do arranque oficial da campanha eleitoral, a reunião de trabalho de hoje foi, salvo alguma surpresa, a última entre o chefe de Estado e o chefe de Governo antes das eleições legislativas de 20 de Fevereiro.
Redação / Lusa/AM