Pedro Santana Lopes abriu a porta para um referendo sobre o aborto, mesmo que o PSD se coligue com o CDS-PP em caso de vitória nas Legislativas de Fevereiro. Em entrevista à TSF, o líder do PSD falou ainda sobre a possível constituição de um governo PSD.



Santana Lopes diz que Bagão Félix não será ministro das Finanças se o PSD formar Governo. Em entrevista à TSF o líder do PSD defendeu, no entanto, que ainda é muito cedo para divulgar nomes por considerar «que não é prudente».

Na entrevista conduzida pela jornalista Teresa Dias Mendes e pelo comentador de política da TSF, António José Teixeira, o líder do PSD prometeu que, até às eleições, o partido vai anunciar a estrutura de um futuro Governo do PSDS.

O primeiro-ministro demissionário explicou que quer criar um cargo de vice-primeiro-ministro para a Competitividade, que «terá sob sua tutela quer as áreas mais directamente económicas, quer outras áreas tão importantes para assegurar a competitividade da nossa economia, como a questão da investigação, da educação», disse.

Para as eleições do dia 20, Santana Lopes admite que, no momento, não prevê a possibilidade do PSD ter uma maioria absoluta, pelo que só pede a vitória.

Se voltar a formar Governo, o líder do PSD deixou a garantia de que uma possível coligação com o CDS-PP não vai impedir a realização de um referendo ao aborto. Apesar de concordar genericamente com a actual lei, Santana Lopes admite alterações mas só em referendo.
Redação / TSF/AM