O saldo da Segurança Social caiu no final de Setembro para 1.001,9 milhões de euros, um valor que representa uma queda de 719,1 milhões relativamente a igual período do ano anterior.

De acordo com os dados da síntese de execução orçamental, a receita efectiva cresceu 847,6 milhões, isto é, mais 5,3% que em igual período de 2008, impulsionada pela receita das contribuições, que subiu 35,2 milhões, e pelo valor das transferências correntes recebidas do Orçamento de Estado.

Já a despesa efectiva evidencia um acréscimo de 10,9% quando comparadas com os valores registados no período homólogo de 2008, para 15.878 milhões, impulsionada pelo aumento dos encargos com prestações sociais. Por exemplo, as pensões e complementos custaram mais 4,8%, o subsídio de desemprego mais 28,6%, o abono de família mais 25%, o subsídio e complemento de doença mais 10% e o rendimento social de inserção mais 19%.

A receita total do período em análise, incluindo o saldo de anos anteriores no valor de 1.373,9 milhões, evidencia um acréscimo de 9,7% e a despesa total uma subida de 9,5% em relação ao mesmo período.