João Pereira Coutinho salientou que a Brasil Saneamento, empresa controlada pela holding SGC, deverá ser a responsável pelo aumento da facturação do grupo no país, nos próximos anos.

«Actualmente, o Brasil representa 35% da facturação total do grupo», disse Pereira Coutinho, durante um jantar, onde recebeu o galardão de «Homem do Ano 2005» da Câmara de Comércio Portuguesa no Brasil.

«Se tudo correr bem, principalmente com os investimentos no sector de saneamento básico, o resultado no Brasil será o maior componente do grupo nos próximos cinco anos», disse.

A Brasil Saneamento é especializada em fornecimento de água e na reciclagem de resíduos industriais para grandes empresas dos sectores petroquímico e têxtil, nos Estados do Rio de Janeiro e Santa Catarina.

O grupo SGC controla igualmente no Brasil a empresa de aluguer de automóveis Unidas, segunda maior do sector, com cerca de 110 lojas, metade delas de franchisados em diversas regiões do país.

Criada há 20 anos e adquirida pela SAG em 2001, a Unidas planeia investir cerca de 21,6 milhões de euros até 2007, nomeadamente na frota de viaturas e no número de lojas da Unidas no Brasil.

O resultado da Unidas representou em 2004 cerca de cinco por cento da facturação total do grupo português, que foi de 700 milhões de euros.

O grupo SGC detém ainda as empresas Arcon e Sogim, que actuam, respectivamente, nos sectores de telecomunicações e na construção de centros de compras e de edifícios residenciais.

"A verdade é que ninguém faz nada sozinho na vida. As minhas palavras de agradecimento vão para os nossos colaboradores que fizeram deste grupo um dos maiores grupos nacionais de Portugal», disse João Pereira Coutinho.

Pereira Coutinho salientou que o Brasil é um «mar de oportunidades» e que as empresas do grupo SGC estão no país «para ficar».

«Queremos colocar o Brasil onde merece, ou seja, entre as nações líderes deste planeta», realçou o presidente do grupo SGC.

O jantar assinalou igualmente o 93º aniversário da Câmara de Comércio Portuguesa no Brasil, uma das mais antigas associações do género no país.

Já foram distinguidos com o galardão de «Homem do Ano», entre outros, os presidentes do grupo Pestana, Dionísio Pestana (2004), da Portugal Telecom (PT), Miguel Horta e Costa (2003), do grupo Sonae, Belmiro de Azevedo (2002), e do grupo Espírito Santo, Ricardo Espírito Santo (2001).