As últimas notícias dão conta que Stanley Ho detém já perto de 2,6% da eléctrica e o próprio empresário declarara já o seu interesse em reforçar a sua posição no capital da empresa.

A afirmação é do presidente executivo da GEO Capital, Jorge Ferro Ribeiro, empresa que conta, entre os seus principais accionistas, com Stanley Ho e o banco macaense Seng Heng Bank Limited, e que serve de plataforma de investimento dos mesmos para a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

«A GEO Capital é que tem estado a fazer a monitorização do mercado. Por exemplo, a participação na EDP, onde o empresário (Stanley Ho) tem 2,6%, deverá chegar aos 5% durante 2006», afirmou Jorge Ferro Ribeiro.

Jorge Ferro Ribeiro, que falou à margem da cerimónia de abertura do primeiro escritório de representação do banco Seng Heng em Portugal, adiantou ainda que a presença do banco em Portugal vai «servir para apoiar os investimento da GEO Capital nos CPLP na área financeira, mas também em infra-estruturas e recursos naturais».

«A China está agressiva relativamente a África e à América Latina. O Governador de Macua, Edmundo Ho teve um papel predominante porque viu Macau a desempenhar o papel de plataforma entre a China e os CPLP, e é assim que nasce a GEO. O banco vai apoiar a nossa retaguarda», resumiu o empresário.

Até à data, a empresa tem aplicados em Portugal cerca de 600 milhões de euros, com a participação na EDP incluída, enquanto nos restantes CPLP o valor ascende a 130 milhões de dólares (104 milhões de euros), valor em que está incluída a compra da Varig Engenharia, por 65 milhões de dólares (52 milhões de euros) em consórcio com a TAP.

Aquisições na banca

Uma das prioridades da GEO Capital passa por aquisições no sector financeiro, em Angola, Moçambique e Cabo Verde.

«Em Angola, Moçambique e Cabo Verde vamos consolidar através de aquisições de bancos ou seguradoras, ou através da constituição de bancos de investimento», adiantou Jorge Ferro Ribeiro.

O empresário realçou ainda a expansão do mercado financeiro em Cabo Verde, onde «a praça financeira de desenvolveu muito», e Moçambique, onde a «GEO Capital fez uma joint-venture com o Governo Moçambicano para o Vale do Zambeze, e onde estamos a desenvolver investimentos chineses».
Bruno Pocinho