A Vivo, operadora brasileira detida em partes iguais pela PT e pela espanhola Telefónica, registou lucros de 295,9 milhões de reais (110 milhões de euros) no primeiro semestre do ano, mais 26,3%, anunciou a empresa.

No semestre, a operadora captou 1,8 milhões de clientes, acabando o mês de Junho com 46,8 milhões, e mantendo-se líder do mercado com uma quota de 29,3%.

A receita média por cliente (ARPU) por mês, situou-se nos 26,3 reais (9,8 euros) no segundo trimestre, depois dos 27 reais (10 euros) do primeiro.

As receitas líquidas situaram-se nos 7.956 milhões de reais (2.977 milhões de euros), mais 6,5% que no homólogo. A empresa destaca o contributo da receita de dados proveniente do uso de SMS/MMS, cujo aumento foi de 27,8%, e do uso da Vivo Internet, que cresceu 54,8%.

Os custos aumentaram 4,3% no semestre para 5.554 milhões de reais (2.078 milhões de euros) e o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) ascendeu aos 2.401 milhões de reais (898 milhões de euros).

A dívida da empresa subiu para 4.692,6 milhões de reais (1.755 milhões de euros), dos quais 72% são de longo prazo.