Com ou sem crise, a verdade é que o mercado do renting automóvel tem vindo a ganhar cada vez mais terreno. Este negócio, em 2008, registou um crescimento de 12,5% no valor da produção anual e um aumento do número de viaturas, ou seja, mais 1032 em relação ao ano anterior.

Os dados foram avançados esta quinta-feira pela Associação Portuguesa de Leasing (ALF) e explicam que esta subida no renting acaba por estar a penalizar a venda de veículos ligeiros.

É de referir que, segundo os últimos dados da ACAP, as vendas de carros registaram uma quebra de 42% no primeiro trimestre, tendo sido vendidos neste período 31 mil veículos.

«A importância que este sector tem tido como um dos que mais tem contribuído para que a quebra das vendas de veículos ligeiros não tenha sido maior do que a registada em Portugal, onde os crescimentos negativos verificados seriam ainda superiores aos constatados em 2008», adianta o organismo.

Segundo os dados da ALF, o número de viaturas de passageiros aumentou 12,7%, já os comerciais aumentaram 7,86%.

É mais barato alugar viatura do que comprar

Leasing: produção retrai mas fica acima da média europeia

A produção do leasing em Portugal registou uma quebra de 3,51, em 2008, totalizando os 6,4 mil milhões de euros, em relação a igual período do ano passado.

«Esta pequena diminuição é natural, uma vez que, por norma, este produto tende habitualmente a acompanhar as economias em que se insere», salienta a ALF que diz, mo entanto, que apesar desta quebra «continuamos acima da média europeia».

No entender do organismo, esta redução fez com que «pela primeira vez desde 2001, o seu peso em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) diminui».

Segundo a ALF, «também, pela primeira vez nos últimos 5 anos, registou-se um abrandamento tanto no mobiliário como no imobiliário». No ramo do mobiliário foram realizados mais de 83 mil contratos, totalizando os 4 mil milhões de euros,

Neste segmento, a categoria «barcos, aviões, entre outros» ganharam maior importância, pesando 8% da produção. Já os veículos pesam 48% do sector

No ramo imobiliário foram realizados 4.780 contratos, no valor de 2,4 mil milhões de euros. A categoria «lojas e supermercados» e «imóveis de escritório» ganham maior relevo, ao pesarem 35% e 15%, respectivamente.

Factoring aumenta

Ao contrário do leasing, o factoring registou um aumento do volume de créditos tomados de 13,83%, em 2008, totalizando 23,5 mil milhões de euros.

«Dada a estagnação do PIB nacional, o factoring vê o seu peso aumentar em 1,6 pontos percentuais para 14,1% do PIB, em linha com a evolução da presente década», salienta a ALF.

O factoring doméstico registou um crescimento de 5,9% no valor total concedido, enquanto o internacional apresentou uma subida de 17,5%.
Sónia Peres Pinto