Os social-democratas do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI) manifestaram este sábado preocupação pela situação que se vive na banca em consequência da crise e acusaram o Governo de não defender os trabalhadores do BPN.

«É hoje claro que a nacionalização do BPN, podendo, porventura, resolver os problemas dos clientes desse banco, não acautela a defesa dos trabalhadores que ali exercem a sua actividade, independentemente do vínculo laboral que possuam», avançou a Lusa.

«Ao contrário do que foi afirmado pelo governo socialista, a manutenção dos postos de trabalho não passa de uma promessa demagógica», acrescentam no documento emitido após uma reunião em que foram debatidas questões internas do SBSI e a situação da banca em geral.

Em Janeiro, o SBSI foi informado de que os cerca de 250 contratados a prazo do BPN iriam ser dispensados à medida que os contratos chegassem ao termo.

O BPN, que foi nacionalizado em 11 de Novembro de 2008, tem um total de 1.800 trabalhadores.

Os social-democratas do SBSI consideram ainda que «os bancários não podem ser penalizados pelas insuficiências da Supervisão Bancária» e constatam que «alguns dos problemas com que hoje se debate o sector bancário se fundamentam em graves lacunas da Entidade que supervisiona o sistema».
Redação / SPP