«Há pressões políticas»



Crise não o impede de investir Clientes tratados como «portugueses de 2ª»