De acordo com um estudo da Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom), divulgado esta terça-feira, o UMTS apresenta valores abaixo dos serviços de voz e de captação de rede, que rondam os 100 por cento, com zonas de cobertura ainda má ou inexistente nos serviços de terceira geração.

Embora nas grandes cidades analisadas, o valor das três operadoras móveis nacionais ronde os 98%, nos eixos rodoviários esses valores decrescem para perto de 70% de captação de rede UMTS, «o que nesta fase de implementação não é nada que envergonhe os operadores», referiu aos jornalistas o porta-voz da Anacom, António Vassalo.

A Vodafone é o operador que apresenta melhores resultados, com taxas de sucesso na cobertura de redes de 99,2% nas cidades e de 76,8% nos eixos rodoviários.

Já os resultados mais baixos na captação do serviço UTMS nas grandes cidades pertencem à rede TMN com 97,2%, enquanto que fora dos aglomerados urbanos é a Optimus a operadora que regista menor captação, com 69,8%.

É também a Optimus que apresenta mais falhas na cobertura (com 10,3%), seguido da TMN (7,8%) e da Vodafone (7,7%).

«Fora dos centros urbanos, pensamos que as operadoras ainda têm muito para evoluir, mas não podemos dizer que não é boa», sublinhou Teresa Maury. Segundo a administradora da Anacom, «o serviço móvel é cheio de futuro e o que pode contribuir para o crescimento está numa maior oferta de conteúdos». Esta aposta é, no entender da especialista, «tão ou mais importante do que as capacidades de rede».

Videotelefonia com desempenho a melhorar

Este estudo de qualidade incluiu ainda uma avaliação do serviço de videotelefonia permitido pelos telemóveis de terceira geração que, segundo a Anacom, «apresenta um desempenho razoável nos aglomerados urbanos mas substancialmente inferior nos eixos rodoviários».

Neste tópico, a Vodafone é também o operador que apresenta melhores resultados, com taxas de sucesso no estabelecimento de chamadas de 94,1% nas cidades e 67,9% nos eixos rodoviários em análise.

A Anacom analisou 30 aglomerados urbanos (em todas as capitais de distrito) e 11 eixos rodoviários de Portugal Continental, tendo realizado 12.480 chamadas de voz e de videotelefonia, entre os meses de Novembro e Dezembro de 2006.

Para este estudo, a entidade recorreu a uma tecnologia que implicou um investimento de cerca de 1,1 milhões de euros.
Rui Pedro Vieira