Portugal e Angola: «Há muito a fazer»