A produção de vinho no Alentejo deverá cair 30% este ano, devido à chuva que afectou as vinhas, mas a qualidade «está garantida» e os stocks são suficientes para abastecer o mercado, segundo a Comissão Vitivinícola (CVRA).

As estimativas da CVRA têm por base os indicadores já recolhidos pelos técnicos da Associação Técnica dos Viticultores do Alentejo (ATEVA) em áreas como Borba, Évora, Granja/Amareleja, Moura, Redondo, Reguengos e Vidigueira, onde decorrem as vindimas, faltando iniciar-se a campanha somente em Portalegre, «devido às características próprias da região», avança a «Rádio Renascença».

As castas brancas estão a ser as mais afectadas pela quebra de produção em todas as sub-regiões do Alentejo, especifica a CVRA, exemplificando com o caso de Borba, onde aponta para valores de cerca de 40 por cento, uma descida que poderá ser de 30% para as castas tintas.

Em Reguengos, já foram vindimados cerca de 700 mil quilos de uva, perspectivando-se quebras finais entre os 30 a 35%.

As regiões situadas nos dois extremos do Alentejo (Portalegre a norte e Vidigueira a sul)são as que perspectivam uma quebra menos acentuada, na ordem dos 20%.