A Bolsa nacional começou a sessão a subir, mas rapidamente inverteu o sentimento, devido às descidas do BCP, Portugal Telecom e EDP.

O índice PSI20 cai 0,30 por cento para os 6.176,30 pontos, com 9 títulos a descer, um estável e 10 em alta. Na restante, as praças seguem maioritariamente positivas, à excepção de Frankfurt. O CAC francês soma 0,36%, o FTSE inglês trepa 0,07%, o IBEX espanhol avança 0,18% mas o DAX alemão perde 0,12%.

Confira aqui as cotações do petróleo

Por cá, a pressionar está o BCP que tomba 3,28% para os 0,70 euros, depois do JP Morgan ter revisto em baixa de 18% o seu preço-alvo para as acções do BCP, de 0,71 para 0,58 euros.

Também a Portugal Telecom recua 0,46% para os 6,41 euros, apesar de ontem a empresa ter revelado que os seus lucros relativos ao quarto trimestre de 2008 duplicaram e superaram as estimativas dos analistas.

Os resultados líquidos da PT no período em análise aumentaram 100,3% para 143,8 milhões de euros. O presidente da empresa, Zeinal Bava, anunciou que 2009 poderá ser o melhor ano de sempre da empresa.

EDP em dia «não»

A empurrar para baixo está ainda a EDP que cede 0,35% para os 2,50 euros e a Teixeira Duarte que desvaloriza 1,28% para os 0,46 euros.

A Sonaecom e a Portucel também tombam 0,7% e 1,97%, respectivamente.

Do lado oposto, nota para a Galp Energia que soma 0,87% para os 8,37 euros. A petrolífera está a beneficiar da recuperação dos preços do petróleo nos mercados internacionais.

A impedir a bolsa de maiores quedas está também o BPI que valoriza 0,06% para os 1,49 euros, o BES que trepa 1,05% para os 5,25 euros e a Brisa que progride 1,35% para os 5,25 euros.

Sonae Indústria sobe 2% e trava maiores perdas

Destaque ainda para a Sonae Indústria que dispara 2,2% para os 1,57 euros.

Fora do PSI20, a Glintt cai 2,46% para os 0,79 euros, apesar da tecnológica ter hoje anunciado que obteve lucros de 4,28 milhões de euros em 2008, mais 166% do que em 2007, devido à integração da Consiste.

Nos Estados Unidos, os mercados encerraram ontem a negociar em terreno positivo.

Mais mercados
Carla Pinto Silva