Recorde de receita, resultados líquido próximo dos 30 milhões de euros, redução do passivo e capital próprio superior ao Capital Social pela primeira vez desde poucos meses após a criação da sociedade anónima.

Em traços gerais, é este o resumo do balanço do exercício dos resultados relativos ao exercício da SAD na época desportiva de 2018/19, no qual não está incluída a venda de João Félix ao Atlético Madrid

Pela primeira vez na história, o universo Benfica ultrapassou a fasquia dos 300 milhões de euros em receitas (€301,281M), sendo que a faturação da SAD também registou um máximo histórico: 263,312 milhões. «São números extremamente positivos e influenciados pelo aumento das receitas da UEFA, mas não apenas por isso», destacou o administado da SAD encarnada, Domingos Soares de Oliveira.

Benfica equaciona aumento da capacidade do Estádio da Luz

Nos dados tornados públicos esta quarta-feira é possível destacar ainda o crescimento do ativo (subiu €15,7M) para os 500,8 milhões e a descida do passivo em 3,4 por cento, tendo passado dos €398,3M para 384,6 milhões.

A diminuir continua também a dívida do Benfica à banca (€13M) e o valor a reembolsar de empréstimos obrigacionistas em vigor, que era, até 30 de junho de 2019, de 131 milhoes de euros, menos 22 milhões do que no período homólogo anterior.

David Marques