A Seleção Nacional de Sub-21 abriu esta noite um novo ciclo, com uma nova geração de jogadores a golearem a noviça seleção de Gibraltar por 4-0, em Alverca, no primeiro jogo da fase de qualificação para o Europeu da categoria. Novo sangue, mas a mesma qualidade dos últimos anos, com o «carimbo» de Rui Jorge, numa goleada que só pecou por falta de mais golos diante de um adversário que entrou em campo com o objetivo único de defender a sua baliza.

Confira a FICHA DO JOGO

Gibraltar, uma das mais recentes seleções inscritas na UEFA, já vinha vacinada com a goelada consentida diante da Bielorrússia (10-0), o próximo adversário de Portugal. Talvez por isso, encarou este jogo apenas com o objetivo de consentir o menor número de golos possível. Foi, portanto, um jogo de sentido único, com a equipa de Rui Jorge a ter uma elevada posse de bola e a procurar manter um ritmo intenso, diante de um adversário que procurava todos os momentos para meter gelo no jogo.

No onze inicial, apenas Diogo Costa, Diogo Leite e Rúben Vinagre já tinham jogado sob as ordens de Rui Jorge. Dos restantes oito, destaque para a titularidade de Dany Mota, o único jogador sem percurso nos restantes escalões. Trata-se de um jogador nascido no Luxemburgo e que joga nos sub-23 da Juventus e que esta noite foi a principal referência do ataque de Portugal, jogando na área, com o apoio direto de Pedro Neto e Trincão.

Veja quem esteve em destaque neste jogo

Portugal assumiu desde logo as rédeas do jogo, à procura de soluções para contornar o rochedo branco que Gibraltar construiu à frente da baliza de Hankins. A jogar ao primeiro toque, abrindo o jogo para as alas e com rápidas mudanças de flanco, Portugal procurava quebrar a consistência do adversário e abrir brechas na sua defesa. Nestes primeiros instantes, destaque para as constantes incursões de Thierry Correia, em grande forma depois de ter sido titular nas primeiras quatro jornadas da Liga, antes de trocar o Sporting pelo Valencia no último dia de mercado.

A verdade é que as investidas de Portugal estavam a chocar constantemente com o tal muro branco até que, aos 9 minutos, Trincão mostrou o caminho, com um remate colocado fora da área. Um golaço de levantar o estádio. Estava aberto o caminho e, pelo sentido de jogo, esperavam-se novos golos nos minutos seguintes. Gibraltar desorientou-se e, quatro minutos volvidos, novo golo. Rúben Vinagre cruzou da esquerda e Dany Mota, com um bom impulso, desviou de cabeça. Excelente o movimento técnico do jogador da Juventus.

Dois golos antes dos primeiros quinze minutos, mas Gibraltar acabaria por conseguir voltar a fechar a sua área, praticamente com toda a equipa a defender. Portugal voltou a sentir dificuldades para abrir espaços, mas foi criando inúmeras oportunidades até ao intervalo, com destaque para uma grande penalidade, nos instantes finais, mas Dany Mota atirou ao lado.

Rui Jorge mexe e Portugal marca mais dois

Rui Jorge procurou refrescar a sua equipa promovendo quatro alterações ao intervalo, mexendo em todos os setores, com as entradas de Vítor Ferreira, Filipe Soares, Tomás Esteves e Nuno Santos. Portugal manteve a pressão intensa e voltou aos golos. Dany Mota redimiu-se do penalti desperdiçado e bisou no jogo com um desvio a cruzamento em profundidade de Trincão. Bola ao centro e novo golo, mais uma vez com Trincão na jogada. Bomba fora da área, Hankins defendeu para a frente, Dany Mota recuperou e serviu Diogo Queirós para o quarto da noite.

Portugal tinha o jogo totalmente controlado, mas notava-se uma certa ansiedade no relvado, talvez imposta pelos 10-0 da Bielorrússia. A verdade é que dava para tudo e Rui Jorge, por momentos, até testou uma defesa a três, antes de chamar Pedro Pereira para recompor o quarteto que jogava sobre o meio-campo.

O intenso ritmo imposto por Portugal começou a provocar estragos na etapa final, com muitos jogadores de Gibraltar a caírem no relvado com cãibras. Interrupções atrás de interrupções a quebrarem o ritmo a fecharem o resultado num escasso 4-0. A verdade é que Portugal alcançou o seu objetivo, com 28 remates contra nenhum do adversário, e parte agora para a Bielorrússia para voltar a jogar já na próxima terça-feira.

Ricardo Gouveia / Complexo Desportivo de Alverca