Figura: Cristiano Ronaldo

Fernando Santos bem tinha avisado que Cristiano Ronaldo estava bem e pronto a jogar. O craque não defraudou as expectativas e voltou a ter uma noite para recordar ao serviço da Seleção. Fez um hat trick, esteve sempre em jogo e mostrou toda a sua classe. O segundo golo foi exemplo disso, com um grande remate, em arco, fora da área. Mesmo numa altura em que tem sido tão criticado e tão falado pelas piores razões, deu provas de que é um jogador de mão cheia. E até teve direito a dois abraços de adeptos que invadiram o relvado…

O momento: minuto 7

Sabia-se que a Lituânia viria para defender e, com equipas assim, pode ser difícil «desatar o nó». O golo logo nos primeiros minutos veio desbloquear o jogo. Depois do 1-0, Portugal jogou à vontade e conseguiu mesmo chegar à goleada.

Outros destaques:

Bernardo Silva

O pequeno, mas talentoso, médio português foi um dos melhores em campo. Poucas foram as jogadas de ataque em que não esteve envolvido, definindo sempre com clarividência. A forma com que leva a bola coladinha ao pé é um verdadeiro deleite. Marcou um golo e assistiu outro para Ronaldo, demonstrando como, cada vez mais, é um dos esteios de Fernando Santos. Os aplausos quando deu lugar a Bruma são, de resto, exemplo de que é um dos jogadores mais acarinhados pelo público.

Gonçalo Paciência

Soube ter…paciência, para chegar ao tão desejado golo. Estreou-se a marcar pela Seleção, depois de uma longa ausência na lista de convocados de Fernando Santos. Após quatro tentativas, chegou mesmo ao golo já na segunda parte. Entendeu-se bem com Cristiano Ronaldo: será que se encontrou a dupla ideal para o ataque luso?

Mário Rui

A sua titularidade foi uma surpresa, uma vez que Raphael Guerreiro costuma ser o dono da posição de defesa esquerdo. Fez uma boa exibição, com destaque para o pendor ofensivo que demonstrou. Quase assistiu Gonçalo Paciência, ainda na primeira parte, num grande cabeceamento do ponta de lança que foi defendido pelo guarda-redes lituano.

Ricardo Pereira

Outra das surpresas de Fernando Santos para o 11 inicial, Ricardo Pereira disse “presente” à chamada do selecionador. O lateral envolveu-se muito no ataque, dando soluções de passe e arriscando alguns cruzamentos. É dele a assistência para o 5-0 de Bernardo Silva. Na parte defensiva, nas raras vezes em que teve de intervir, fê-lo bem. Sem Nelson Semedo e com Cancelo no banco, Ricardo deu provas de que é uma opção válida.

Rui Patrício

Foi um autêntico espectador na gélida noite algarvia. Não fez uma única defesa, o que prova as debilidades desta Lituânia. Das poucas vezes que tocou na bola, o guardião português recebeu muitas palmas dos adeptos, quase como se fosse um conforto…

Diogo Jota

Estreou-se pela Seleção Nacional, depois de já ter sido convocado anteriormente por Fernando Santos. Substituiu Ronaldo, aos 84 minutos. Nos parcos minutos que esteve em campo, mostrou vontade.

Arvydas Novikovas

No meio da mediocridade, pareceu ser um dos melhores. Com bom toque de bola, lá fez uma ou outra incursão pelo ataque, mas sempre sem grande perigo…

Pedro Lemos