João Mário fez esta manhã a antevisão da final do Euro 2016 em conferência de imprensa realizada em Marcoussis. O médio da Seleção Nacional considera que a França é um «excelente adversário», mas que apesar do favoritismo atribuído à equipa anfitriã Portugal tem uma palavra a dizer.

«Teremos pela frente um excelente adversário, que joga em casa, tem vindo tal como nós a fazer uma excelente prova e chegou à final com todo o mérito. Agora vamos analisar e preparar o jogo para chegarmos ao jogo de domingo e vencer», que abordou em específico o facto de a imprensa francesa atribuir entre 60 a 80 por cento de favoritismo à sua seleção.

«As probabilidades não ganham jogos. Os franceses podem acreditar nisso [de terem até 80 por cento de favoritismo], mas 100 por cento dos portugueses acreditam que Portugal irá vencer. É nisso que nos iremos focar. Aceitamos que a França, por jogar em casa e pela sua história, possa sentir-se favorita, é algo que respeitamos. Nós também acreditamos muito. Todos os portugueses estão a sonhar e acreditam. Tenho a certeza que nos dará força para chegar ao jogo e vencer. Vão estar muitos portugueses no estádio e em Paris, vão passar-nos boas energias e é isso que precisamos.»

João Mário recordou ainda a final do Europeu de sub-21, que Portugal perdeu diante da Suécia. «Numa final qualquer equipa pode ganhar. No ano passado também éramos favoritos frente à Suécia e acabámos por perder. Foi um momento muito triste, mas espero que este ano as coisas possam mudar. Domingo é um jogo de tudo ou nada e iremos entrar na máxima força.»

O futebolista viu «pouco do jogo de ontem», uma vez que o grupo já tinha «visto vários anteriormente de ambas as seleções». «A França não ganhava há algum tempo à Alemanha e aconteceu ontem. Tem a sua mentalidade, e tem o direito de sonhar com a vitória. Temos consciência do nosso passado com a França, mas estamos motivados e esse histórico vai dar-nos ainda mais motivação para a final.»

O grupo de trabalho às ordens de Fernando Santos não podia estar melhor no que ao moral diz respeito. «Temos muita motivação para ganhar. É um momento único para nós. Não penso nas questões físicas. É uma oportunidade única, levo as coisas para o lado emocional, e quero aproveitá-la. Fisicamente sinto-me apto para este jogo. Tenho a certeza de que todo grupo entende que este é o jogo da sua vida. Podemos fazer história, podemos entrar na história de Portugal», assinalou.

Obviamente, o médio discorda do treinador alemão Joachim Low, que acredita que a França será campeã da Europa no domingo. «É a sua opinião, toda a gente tem direito de tê-la. Também vi o selecionador de Gales a dizer que esperava que Portugal ganhasse. Temos de focar-nos nos que acreditam, nas coisas positivas, porque já houve muita onda negativa e superar. Não será diferente agora, e vamos entrar no domingo com a maior vontade de vencer.»

A «combinação perfeita», uma mistura de juventude e experiência, «foi o que ajudou Portugal a chegar à final. «Temos alguma irreverência. Para estarem novos jogadores são precisas oportunidades e o mister deu-as. O que conta é o que o jogador pode produzir, a idade conta pouca.» Tal como contará o dia de vantagem na recuperação para a equipa das quinas: «Numa final as questões físicas contam pouco. Frente à Croácia também tivemos menos horas de recuperação e ganhámos. Irá querer ganhar tanto como nós.»

João Mário tem «a certeza que a equipa arbitragem quer fazer o seu melhor» num jogo que será «visto por milhões de pessoas e em que ninguém quererá ficar por baixo»

Luís Mateus