O Luxemburgo soma três derrotas consecutivas - e seis jogos sem vencer -, mas ainda assim merece elogios do selecionador nacional, que lembra as dificuldades que Ucrânia e Sérvia sentiram frente ao próximo adversário da equipa das quinas.

«Perderam o primeiro jogo com a Ucrânia com um golo nos descontos, e tiveram oportunidades para fazer eles o 2-1. A Ucrânia foi feliz, e isso mostra o valor do Luxemburgo. Os meus jogadores já viram o Ucrânia-Luxemburgo, que foi 1-0, com um golo anulado ao Luxemburgo que me deixa muitas dúvidas», começou por referir Fernando Santos, antes de entrar na análise detalhada.

«Defende bem, mas é também organizada. Sai em posse. Não tem nada a ver com aquelas equipas que defendem muito e depois pontapé para a frente. Mesmo a Sérvia, antes de fazer o 3-1, teve duas bolas nos postes. Isto é fruto do trabalho de um selecionador que está há nove anos no cargo, e se forem a ver as equipas jovens do Luxemburgo têm conseguido bons resultados. Nesta convocatória só dois ou três jogam no país», acrescentou.

LEIA MAIS: todas as notícias de Seleção Nacional

«Se olharmos só para o nome e para o ranking as coisas são diferentes. Se me perguntam se Portugal é melhor, então digo claramente que sim. Desde que cumpra todos os critérios para estar ao melhor nível», reforçou.

A Seleção cometeu alguns pecados defensivos nos últimos jogos, apesar das vitórias, mas Fernando Santos não faz uma associação direta à ausência de Pepe na Sérvia e na Lituânia, nem olha apenas para os lances de bola parada.

«As vezes em que o Pepe não esteve Portugal até venceu», começou por dizer relativamente ao central do FC Porto, que está de volta às opções.

«Eu disse que não era normal sofrermos golos de bola parada, pois foram muito poucos ao longo destes anos. Claro que são situações que procuramos corrigir, ainda que tempo não tenhamos. É mais através da conversa, da explicação individual. Mas penso que aquilo que esteve menos bem não foram os lances de bola parada. Foi a primeira parte do jogo com a Lituânia. Vencer por 4-2 um adversário como a Sérvia tem de ser sempre brilhante. Mas com a Lituânia não foi assim, e pode servir de exemplo», destacou Fernando Santos.

«Apesar de sermos melhores, com melhor qualidade individual, coletivamente estivemos ao nível deles, ou até abaixo. Se não igualarmos esses níveis, a criatividade depois não chega. Na segunda parte fomos uma equipa diferente, quisemos claramente mandar no jogo. E fizemos quatro golos, podiam ter sido mais», acrescentou.

O selecionador nacional desvalorizou também a baixa por lesão de William e garantiu que a mesma não representará qualquer mudança na forma de jogar da equipa, aproveitando para deixar um voto de confiança às restantes opções, incluindo o substituto André Gomes. que «podia estar na convocatória inicial».

Nuno Travassos